quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

SOCIEDADE DE ASSISTÊNCIA AOS CEGOS
INSTITUTO HÉLIO GÓES
BIBLIOTECA BRAILLE JOSÉLIA ALMEIDA
                                                            “Uma fábrica de sonhos e de ideias”.


04 DE JANEIRO: UMA DATA A SER VISTA E CELEBRADA POR TODOS

             Aos 4 dias do mês de Janeiro do ano de 1809, nascia na França uma
pessoa que iria ficar cega aos três anos de vida, para que todos no
mundo pudessem enxergar essa data, principalmente os milhões de
deficientes visuais que não conheciam as palavras e letras que fossem
tangíveis, algo que se tornaria possível quando esse menino cego, aos 16
anos, desenvolvesse um maravilhoso Sistema de Leitura e escrita para
todos os cegos do mundo, na sua e nas próximas gerações. Louis Braille
foi o ser humano que marcou na folhinha do calendário a data do seu
nascimento , que se transformaria no Dia Mundial do Braille, para
celebrar a grande conquista do seu invento que abriu as portas para a alfabetização, socialização, profissionalização e pleno acesso ao conhecimento por parte dos cegos, graças à luminosidade do coração e da mente desse adolescente cego, que foi capaz de vencer a obscuridade que havia lhe tirado o direito de ver como os textos eram estampados em jornais, revistas, folhas de papel e outras superfícies onde as palavras se desenhavam para transmitir suas mensagens.
Por muitos anos, o Sistema Braille ficou sendo associado somente às pessoas cegas, mas hoje, com a ampliação dos sentimentos altruístas que fortalecem a responsabilidade social daqueles que não possuem a
limitação nos olhos e a maior consciência da necessidade de incluir
todos igualmente na sociedade, faz com que a data em referência seja
para que todos possam enxergar a Divina Providência, que potencializou
Louis Braille para que ele, através de sua inteligência e da sua boa
vontade de contribuir com outros cegos do mundo, fosse capaz de criar um
Sistema tão útil e duradouro, que desde 1825, data de sua criação, vem
trazendo os maiores benefícios para a inclusão dos deficientes visuais
em uma sociedade ainda muito preconceituosa, mas em condições de
oferecer oportunidades à todos, seja de qual raça forem ou de qual língua
falem, mesmo que a tecnologia atual já traga uma gama de novas
alternativas para o acesso ao conhecimento, porém, o Sistema Braille é
aquele que permite ao cego tocar nas letras, nas palavras, nos símbolos
da matemática, da química, da música e até dos relevos que contornam
figuras.
       Atualmente, muitos são os que não sendo cegos, procuram aprender o Sistema Braille para auxiliar a quem precisa ler e escrever através do
mesmo ou se comunicar pela escrita com os semelhantes que nasceram ou adquiriram a cegueira. Além disso, muitas leis e profissionais em
formação que querem atuar como agentes da inclusão, estão contribuindo
para que o Braille passe a ser uma ferramenta de aproximação entre a luz
e a escuridão. É, portanto, o dia 04 de Janeiro uma data que precisa ser vista e celebrada por todos, pois registra a chegada ao mundo, de alguém que perdeu a visão, mas que não perdeu de vista o horizonte da felicidade e nem o caminho da solidariedade.

Paulo Roberto Cândido
Coordenador de Projetos do Instituto de Cegos de Fortaleza

segunda-feira, 14 de novembro de 2016

CAFÉ COM AS AMIGAS


No final de uma palestra sobre saúde na Universidade de Stanford o palestrante apontou, entre outras coisas, que os estudos mostram que uma das melhores coisas que um homem pode fazer por sua saúde é se casar: o casamento aumenta a longevidade e o bem-estar pessoal do homem.
Questionado sobre a saúde da mulher, o palestrante apontou um dado surpreendente: ao invés do casamento a mulher precisa cultivar seus relacionamentos com as amigas!
Essa declaração provocou risos na platéia, mas o professor fundamentou o fato muito à sério.
Os estudos realizados mostram que as mulheres se conectam de maneira diferente dos homens e fornecem outros sistemas de apoio que as ajudam a lidar com experiências estressantes e difíceis em suas vidas.
"Tempo com Amigas" é muito significativo no nível fisiológico: ajuda a produzir mais serotonina (neurotransmissor) que auxilia no combate à depressão e cria um sentimento geral de bem-estar. As mulheres tendem a compartilhar seus sentimentos, enquanto os homens geralmente se conectam em torno de tarefas. Eles raramente se sentam com um amigo falando sobre como se sentem sobre algo, ou como está sua vida pessoal. Falam de trabalho, esportes, carros, mulheres, etc. mas dos seus sentimentos, raramente...
As mulheres fazem isso o tempo todo. Elas compartilham sentimentos e emoções das profundezas de suas almas com suas amigas, e parece que isso realmente contribui para a sua própria saúde.
O conferencista acrescentou, ressaltando que o "tempo gasto" com amigas é tão importante para a saúde das mulheres como correr ou fazer ginástica.
De fato, há uma tendência (errônea) de pensar que quando nos envolvemos com alguma atividade física estamos fazendo algo de bom para o nosso corpo, enquanto que quando conversamos com as nossas amigas, "desperdiçamos" o tempo em vez de fazer algo mais produtivo.
O orador salientou que não manter relacionamentos de qualidade com outras pessoas prejudica a nossa saúde física tanto quanto o fumo!
Portanto, cada vez que nós (as mulheres, é claro) sentamos para conversar com uma amiga estamos fazendo algo muito benéfico para a nossa saúde.
Então... "Tim-Tim" ao café, chá, suco, etc.
(Autor Desconhecido)

AVALANCHE DE PALAVRAS


As palavras caem no princípio.
São atropeladas em avenidas movimentadas no horário do rush.
No meio do vendaval da neve no pico dos Alpes.
Murmuradas em preces no árido agreste sertãodo nordeste brasileiro.
Palavras desconexas em leitos de hospitais,
balbuciadas em guetos, cortiços, entre
ratos e gatos misturados com farrapos humanos.
A luz solitária da torre de transmissão.
misturadas com a placa luminosa do anúncio
de dentes imaculados de branco.
Que esconde o negrume da alma corroída
pela  solidão.

É madrugada e o escritor de olhos atentos
à tela do notbook digita com rapidez,
com frenesi a inspiração que vai tomando forma.
Cores, sons, sabores, lembranças da infância ou
mesmo um fato corriqueiro do dia-a-dia.
Dá uma última lida suspira, salva o arquivo.
Se debruça na janela e olha para escuridão.
A brusca freada do carro em alta velocidade na avenida deserta                                                             a sirene que rasga o silencio da noite.
Volta para a cama com um riso nos lábios.
Com a alma lavada e a mente tranquila.
Recebe do seu travesseiro o afago e abraça com
carinho sua companheira, chamada Inspiração!                                                                                       Fátima Silva
21/11/15

sábado, 21 de maio de 2016

POR QUE TEM QUE ASSIM?

Para algo acontecer
Precisa esforço fazer                                
Por que tem que ser assim?
Não adianta suplicar
Nem tão pouco lamentar.

O ano de persistir
É trilha para prosseguir
Por que tem ser assim?
Se você não quer tentar
Anjos não vão ajudar.

Desejando emagrecer,
Caminhe ao amanhecer.
Por que tem que ser assim?
Então vá à academia
E acabe a mordomia.

Quer um concurso fazer?
Precisa logo estudar.
Por que tem que assim?
Possibilita passar
E bom emprego ganhar.

Quer arranjar um novo amor?
Lute para conseguir.
Por que tem que assim?
Saia para passear
E alguém encontrará.

Se você está magoado
Limpe o seu coração
Por que tem que ser assim?
A dança pode ser
A grande solução.

Sempre numa excursão
Precisa cedo acordar
Por que tem que ser assim?
Para entrar na diversão
E a cultura aumentar.

Faça tudo que puder
Para o mundo transformar
Porque tem que ser assim.
Porque tem que ser assim.
Porque tem que ser assim.

Autora FÁTIMA QUEIROZ
Membro da Academia de Letras e Artes da Sociedade de Assistência aos Cegos-ALASAC
Patrono Raimundo Girão
Cadeira no. 24
Essa poesia faz parte da Antologia UM DEDO DE PROSA, OUTRO DE POESIA publicada pela Academia Metropolitana de Letras de Fortaleza-AMLEF
Lançada no 29o. Salão do Livro e Imprensa de Genebra em 2015.




quarta-feira, 11 de maio de 2016

CADERNO ENCANTADO

                                       
Minhas lembranças;
Todas elas estavam ali,
Guardadinhas dentro daquele pequeno caderno
de capa dura e cheio de corações coloridos
verdes, vermelhos, azuis e brancos.

Logo que se abre o caderno,
Surge um desenho feito à lápis preto
que realça as curvas  de umas montanhas
e uma árvore com galhos curtos ainda sem folhas,
aguardando a primavera chegar.

Vou folheando as páginas que parecem encantadas,
que guardam histórias de tempo idos;
Daquele tempo de infância que trago agora à memória,
tão viva, presente e mágica!
Tantas recordações e um leve cheiro de lavanda
que chega até meu sensível olfato
e lá estão as flores do campo traduzidas em versos.

Ah! as palavras reunidas em frases e pensamentos,
falavam de amores platônicos
de idas e vindas,
de encantos e desencantos
da juventude vivida.

Ah! caderninho encantado com tantas trovinhas
e rimas...
O caderninho guarda o tesouro das minhas histórias
e lá encontrei um lindo pássaro que rasga o céu;
Ele voa e voa alto e ouço o seu cantar sim,
de suaves, sutis e harmônicas canções
e leva consigo as minhas lembranças.

Autora  CARMEN MENEZES
Membro da ALASAC- Academia de Letras e Artes da Sociedade de Assistência aos Cegos
Cadeira No. 20 - Patrono Antonio Bandeira
Poesia extraída da Antologia UM DEDO DE PROSA, OUTRO DE POESIA, publicada pela AMLEF- Academia Met
ropolitana de Letras de Fortaleza.
Edição especial para 29o. Salão do Livro e da Imprensa em Genebra em 2015.

Leia também

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...